Menu

Acidente nuclear de Fukushima, no Japão

Acidente nuclear de Chernobyl, União Soviética

Acidente nuclear de Goiânia, Brasil

Acidente nuclear de Goiânia, Brasil

A contaminação radioativa em Goiânia foi um caso de infecção radioativa que ocorreu na cidade brasileira de Goiânia em 13 de setembro de 1987. O resultado do desastre nuclear de Goiânia foi a morte rápida de quatro pessoas e a doença crônica por radiação de várias outras. .

Em 1987, uma parte de uma unidade de radioterapia contendo um isótopo radioativo de césio-137 na forma de cloreto de césio foi roubada de um hospital abandonado por saqueadores, após o que foi descartado.

Após algum tempo, a peça foi encontrada em um aterro sanitário e atraiu a atenção do proprietário do aterro, Devara Ferreira, que levou a fonte médica de radiação para sua casa e convidou vizinhos, familiares e amigos a olhar para a poeira que brilhava. luz azul. Pequenos fragmentos da fonte foram coletados, esfregados com a pele, transferidos para outras pessoas como presentes e, como resultado, começou a disseminação da contaminação radioativa. Por mais de duas semanas, mais e mais pessoas entraram em contato com o pó de cloreto de césio, e nenhuma delas sabia do perigo associado a ele.

Como resultado da ampla distribuição de poeira altamente radioativa e do contato ativo com vários objetos, acumulou-se uma grande quantidade de material contaminado por radiação, que foi posteriormente enterrado no território montanhoso de um dos arredores da cidade, no chamado armazenamento perto da superfície. Este território pode ser reutilizado somente após 300 anos.

O acidente em Goiânia atraiu atenção internacional. Antes do acidente de 1987, as regras que regulavam o controle da propagação e do movimento de substâncias radioativas usadas na medicina e na indústria em todo o mundo eram relativamente fracas. Mas após o incidente em Goiânia, a atitude em relação a esses problemas foi completamente revisada. Posteriormente, os padrões e conceitos revisados ​​e alterados começaram a ser efetivamente implementados no nível familiar, e um controle mais rigoroso foi estabelecido para sua observância. A AIEA introduziu rígidos padrões de segurança para fontes radioativas, cujo desenvolvimento foi patrocinado em conjunto por várias organizações internacionais. Hoje, o Brasil possui requisitos de licenciamento para cada fonte, o que permite acompanhar seu ciclo de vida, até o enterro final.

As vítimas do acidente nuclear de Goiânia

O falecido:

  • Leid das Neves Ferreira (porto. Leide das Neves), aos 6 anos de idade, era filha de Ivo Ferreira (irmão do proprietário do aterro). Inicialmente, quando uma equipe internacional chegou para tratá-la, ela foi colocada em uma sala isolada do hospital, pois os funcionários da instituição tinham medo de estar perto dela. Gradualmente, ele desenvolveu edema na parte superior do corpo, perda de cabelo, danos nos rins e pulmões, além de sangramento interno. Ela morreu em 23 de outubro de 1987 de sepse e infecção geral no Hospital Naval Marsiliu Díaz, no Rio de Janeiro, tornando-se vítima de contaminação. Foi enterrado em um cemitério público em um caixão especial feito de fibra de vidro, projetado para impedir a propagação da radiação.
  • Gabriela Maria Ferreira (Maria Gabriela das Graças Ferreira), 38 anos, esposa do proprietário do aterro, Devara Ferreira, ficou doente cerca de três dias após o primeiro contato com a substância. Sua condição piorou e ele desenvolveu uma hemorragia interna, especialmente nas extremidades, olhos e trato gastrointestinal, sofreu queda de cabelo. Ela morreu em 23 de outubro de 1987, cerca de um mês após o contato.
  • Israel Batista dos Santos, aos 22 anos, foi um trabalhador contratado na Devara Ferreira e o primeiro a trabalhar com uma fonte radioativa para obter o conteúdo. Ele desenvolveu graves complicações respiratórias e pulmonares, foi finalmente enviado para um hospital e morreu seis dias depois, em 27 de outubro de 1987.
  • Edmilson Alvez de Souza, aos 18 anos, também trabalhou na Devar Ferreira e com uma fonte radioativa. Ele desenvolveu dano pulmonar, sangramento interno e dano cardíaco, mas morreu em 18 de outubro de 1987.

Várias dezenas de pessoas após a cura dos eventos. Pelo menos dois jornalistas foram considerados vítimas indiretas da tragédia:

  • Devar Alves Ferreira, cuja curiosidade levou à tragédia, recebeu uma dose de radiação de 7 Gray, pelo que o cabelo dele caiu completamente e vários órgãos foram afetados. Ele não foi condenado, mas foi considerado o principal culpado, caiu no alcoolismo, o que enfraqueceu ainda mais seu corpo e morreu de câncer em 1994.
  • Ivo Ferreira, pai da falecida Leida, também recebeu uma forte infecção. Logo depois, ele se tornou um grande fumante, e morreu em consequência de enfisema pulmonar em 2003.
Autor:

Data de publicação: 23 de janeiro de 2020
Última revisão: 26 de janeiro de 2020