Menu

Usina Nuclear Isar, Alemanha

O que são partículas alfa? Saúde e radiação alfa

O que são partículas alfa? Saúde e radiação alfa

Uma partícula alfa é uma partícula carregada positivamente emitida por vários materiais radioativos durante a decomposição. Ele consiste em dois nêutrons e dois prótons e, portanto, é idêntico aos núcleos de hélio.

De um ponto de vista mais técnico, as partículas alfa ou raios alfa são uma forma de radiação de partícula ionizante de alta energia.

Partículas alfa são normalmente emitidas por núcleos radioativos de elementos pesados ​​na tabela periódica em um processo chamado decaimento alfa. Esses elementos pesados ​​podem ser, por exemplo, os isótopos de urânio (U), plutônio (Pu), tório (Th) ou rádio (Ra).

Às vezes, essa decomposição deixa os núcleos atômicos em um estado excitado. Consequentemente, o excesso de energia nuclear pode ser removido com a emissão de radiação gama (raios gama).

O que é radiação alfa?

A radiação alfa ocorre quando um átomo sofre decadência radioativa, emitindo uma partícula alfa. Na radiação alfa, o átomo original é transformado em outro elemento da tabela periódica, reduzindo seu peso atômico em 4 daltons e seu número atômico em 2 unidades.

Devido à sua carga e massa, as partículas alfa interagem fortemente com a matéria e viajam apenas alguns centímetros no ar.

Qual é a composição das partículas alfa (α)?

As partículas alfa consistem em dois prótons e dois nêutrons mantidos juntos por uma força forte.

Do ponto de vista químico, as partículas alfa também podem ser identificadas com o símbolo 4 He ++.

Junto com o isótopo 3 He, as partículas alfa pertencem à família elion. A decadência beta é mediada por uma força fraca, enquanto a decadência alfa é mediada por uma força forte.

Como a radiação alfa afeta a saúde?

Os raios alfa, devido à sua carga elétrica, interagem fortemente com a matéria e, portanto, são facilmente absorvidos pelos materiais. As partículas alfa só podem viajar alguns centímetros no ar.

Os raios alfa podem ser absorvidos pelas camadas mais externas da pele humana e, portanto, não podem penetrar nessa camada. No entanto, eles são capazes, se uma substância emissora de alfa for ingerida nos alimentos ou no ar, de causar sérios danos celulares .

Se partículas alfa forem ingeridas ou inaladas, o dano será maior do que o causado por qualquer outra radiação ionizante. Se a dose de raios alfa fosse alta o suficiente, todos os sintomas típicos de envenenamento por radiação apareceriam.

Diferenças com radiação beta e gama

As partículas de radiação beta são mais penetrantes do que as partículas alfa, mas são menos prejudiciais. Eles viajam distâncias maiores no ar e com energia cinética mais alta, mas podem ser facilmente interrompidos com certos materiais.

Algumas partículas beta são capazes de penetrar na pele e causar danos. No entanto, como acontece com as partículas alfa, as partículas beta são mais perigosas se inaladas ou ingeridas.

Por outro lado, os raios gama são fótons sem massa, mas com muita energia. Esse tipo de radiação pode passar facilmente pelo corpo e representar um risco significativo para a saúde.

A importância das partículas alfa no modelo atômico de Rutherford

A experimentação de Rutherford com partículas alfa teve um grande impacto no desenvolvimento de modelos atômicos no futuro.

Em 1909, Ernest Rutherford e seus assistentes exploraram as propriedades das partículas alfa para confirmar seus estudos sobre a estrutura do átomo

Esse experimento mudou a visão do átomo que se tinha na época (modelo atômico de Thomson) no novo modelo chamado, justamente, de modelo atômico de Rutherford. Este modelo foi a base para o modelo atômico de Bohr em 1913.

Autor:

Data de publicação: 7 de março de 2019
Última revisão: 3 de setembro de 2021