Menu

Mecânica dos fluidos

Efeito Coanda em um fluido

Efeito Coanda em um fluido

O efeito Coandă é um fenômeno físico na mecânica dos fluidos que se refere à tendência dos fluidos, como o ar ou a água, de aderirem a uma superfície curva em vez de seguirem um caminho reto.

Este fenômeno de dinâmica de fluidos pode ser observado em diversas situações, desde o vôo de um avião até a operação de uma turbina a vapor.

Explicação física

Efeito CoandaPara compreender melhor o efeito Coandă, é útil lembrar alguns conceitos básicos sobre a natureza dos fluidos. Os fluidos, sejam líquidos ou gasosos, tendem a se mover de áreas de alta pressão para áreas de baixa pressão.

Quando o ar flui em torno de uma superfície curva, a pressão do ar na parte externa da curva é maior do que na parte interna. Isso cria uma força que empurra o ar em direção à superfície curva, fazendo com que ele grude nela em vez de continuar em linha reta.

As partículas fluidas aderem à superfície devido a uma combinação de forças que atuam sobre elas. Quando um fluido, seja gás ou líquido, flui sobre uma superfície curva, são geradas diferenças na pressão do fluido ao longo da superfície que geram uma força resultante que atua sobre as partículas do fluido, empurrando-as em direção à superfície curva.

Camada limite

Um dos principais fatores que contribuem para esta adesão é o gradiente de velocidade do fluido. Na camada limite, que é a região do fluido que está em contato direto com a superfície, a velocidade do fluido diminui gradualmente de zero na superfície até o valor de fluxo livre.

Esta diminuição na velocidade cria um gradiente de velocidade que induz uma força de arrasto nas partículas do fluido, atraindo-as em direção à superfície.

Viscosidade do Fluido

Além disso, a viscosidade do fluido também desempenha um papel importante. A viscosidade é a resistência do fluido ao fluxo e afeta o comportamento das camadas de fluido adjacentes à superfície.

Na presença de uma superfície curva, a viscosidade do fluido faz com que as partículas em contato com a superfície adiram a ela, seguindo seu contorno em vez de se separarem e seguirem um caminho reto.

Explicação molecular

Do ponto de vista molecular, a adesão de partículas fluidas a uma superfície pode ser entendida em termos de forças intermoleculares e do movimento de moléculas individuais dentro do fluido.

Num fluido as moléculas estão constantemente em movimento e colidindo umas com as outras. Quando o fluido flui sobre uma superfície sólida, as moléculas na camada limite que está em contato direto com a superfície experimentam forças de atração em direção à superfície devido a interações intermoleculares.

Por exemplo, no caso do ar, as moléculas de gás interagem principalmente através de forças de Van der Waals e atrações dipolo-dipolo. Essas forças fazem com que as moléculas de ar próximas à superfície sólida sejam atraídas por ela.

À medida que as moléculas do fluido se aproximam da superfície sólida, sua velocidade diminui devido a essas forças atrativas e às colisões com outras moléculas. Isto resulta numa diminuição gradual da velocidade do fluido à medida que nos aproximamos da superfície sólida, criando o gradiente de velocidade característico da camada limite mencionada acima.

Do ponto de vista da viscosidade, em um fluido viscoso as moléculas estão mais fortemente ligadas umas às outras, o que aumenta a resistência ao fluxo e faz com que as moléculas em contato com a superfície sólida adiram a ela com mais facilidade.

Descoberta do fenômeno: Henri Coandă

A descoberta do efeito Coandă surgiu graças ao engenheiro romeno Henri Coandă, na década de 1930. Coandă estava fazendo experiências com um motor a jato que havia projetado quando percebeu um fenômeno inesperado: o fluxo de ar não se comportou como ele esperava.

Coandă observou que quando um jato de ar saía de um tubo e passava sobre uma superfície curva, como a borda de uma placa, em vez de manter um caminho reto, o ar aderia à superfície curva e a seguia. Esta descoberta contradisse as expectativas convencionais sobre o comportamento dos fluidos em movimento.

Mais tarde, ele investigou mais detalhadamente esse fenômeno e descobriu que o efeito se devia a diferenças na pressão do ar ao longo da superfície curva, o que gerava uma força de sucção que puxava o fluxo de ar em direção à superfície.

Exemplos e aplicações

Este princípio tem implicações importantes em diversas áreas da física, da vida cotidiana e da engenharia.

Aviação

Por exemplo, na aviação, este efeito é explorado no projeto de asas e superfícies de controle de aeronaves.

Na asa de um avião, o efeito Coandă ocorre quando o ar que flui sobre a superfície superior da asa adere ao seu contorno curvo, criando uma zona de baixa pressão. Isso resulta em uma diferença de pressão que gera sustentação, permitindo que o avião permaneça no ar.

Por outro lado, numa hélice de helicóptero, o efeito Coandă impulsiona o fluxo de ar para baixo, proporcionando o impulso necessário para levantar o helicóptero. Ambos os fenómenos ilustram como o design aerodinâmico aproveita o fluxo de ar para alcançar o voo e a propulsão.

Meteorologia e correntes de vento

O efeito Coandă também tem implicações na meteorologia, especialmente na formação e comportamento das nuvens e dos ventos atmosféricos. O efeito Coandă pode influenciar a direção e a velocidade do fluxo atmosférico em torno de obstáculos naturais, como montanhas, edifícios e corpos d’água.

Quando o vento flui em torno de uma montanha, por exemplo, acontece algo semelhante ao efeito Coandă: o vento tende a aderir à superfície da montanha e seguir o seu contorno em vez de fluir diretamente sobre ela.

Isto pode levar a fenómenos meteorológicos interessantes, como a formação de nuvens lenticulares no topo das montanhas, onde o ar húmido arrefece e condensa à medida que sobe sobre a montanha e depois desce pelo lado oposto.

Além disso, também pode influenciar a direção do vento em áreas urbanas onde existem edifícios e estruturas. O vento que flui ao redor dos edifícios pode seguir seus contornos e criar áreas de vento acelerado ou rodopiante.

Energia eólica

Turbina eólica de um parque eólicoTurbinas eólicas são dispositivos utilizados para converter a energia cinética do vento em energia elétrica. Nestes sistemas, o fluxo de ar em torno das pás da turbina eólica é influenciado pelo efeito Coandă, que afeta o seu desempenho e capacidade de geração de energia.

Quando o vento flui sobre as pás da turbina eólica, o ar tende a aderir à superfície curva das pás e a seguir seu contorno, em vez de fluir diretamente através delas.

Ao seguir o contorno das pás, o fluxo de ar cria diferenças de pressão que geram forças aerodinâmicas, impulsionando assim o movimento das pás e gerando energia mecânica. Essa energia mecânica é então convertida em energia elétrica através de um gerador.

Turbinas a vapor

O efeito Coandă também pode influenciar o projeto e a operação de turbinas a vapor em uma usina nuclear. Essas turbinas convertem a energia térmica do vapor gerado pelo reator nuclear em energia mecânica para gerar eletricidade.

Em uma turbina a vapor, o vapor d'água em alta pressão é direcionado através de uma série de pás fixas e móveis na turbina. Quando o vapor flui sobre essas pás, ele se expande e sofre uma diminuição de pressão, gerando forças de empuxo que giram a turbina.

À medida que o vapor flui sobre as lâminas, ele tende a aderir às superfícies curvas das lâminas e a seguir seus contornos. Esta adesão do vapor de água às pás afecta o fluxo de vapor e a distribuição das forças de impulso na superfície das pás dependendo da sua forma e disposição.

Autor:
Data de publicació: 13 de maio de 2024
Última revisió: 13 de maio de 2024