Menu

Usina Nuclear Embalse,
Argentina

Energia nuclear na Argentina, história das usinas argentinas

Energia nuclear na Argentina, história das usinas argentinas

Na Argentina, a produção de energia elétrica é amplamente privatizada e regulamentada pela ENRE (Entidade Nacional de Energia Elétrica). A capacidade instalada de toda a matriz energética é de cerca de 35 GW, sendo cerca de 11% de autoprodutores e geradores privados.

A Argentina foi o primeiro país da América Latina a usar energia nuclear. Cerca de 10% da eletricidade vem de três reatores nucleares:

As centrais nuclearesReatores
Usina nuclear em Atucha, ArgentinaAtucha. Lima

A usina nuclear de Atucha I (Argentina) está em operação há mais de 30 anos. Use urânio enriquecido. Pertence ao tipo de reatores nucleares PHWR e foi construído principalmente pela Siemens.

2
Usina nuclear em Embalse, ArgentinaEmbalse. Cordoba

usina nuclear de Embalse, Argentina é uma planta de geração de energia e produção de cobalto-60 usado na medicina nuclear.

1

Além das usinas nucleares Atucha e Embalse, existem outros reatores de pesquisa no país. Além disso, a Argentina exporta tecnologia nuclear.

A Argentina é signatária do Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP) desde 1995 como um estado sem armas nucleares

O Tratado de Não Proliferação Nuclear é um tratado que restringe a posse de armas nucleares e, portanto, faz parte dos esforços da comunidade internacional para prevenir a proliferação de armas de destruição em massa. De acordo com o tratado, essa fonte de energia deve ser utilizada apenas para fins civis.

História da energia nuclear na Argentina

Em 1950 foi criada a Comissão Nacional de Energia Atômica (CNEA). Essa comissão levou a uma série de atividades voltadas para pesquisa e desenvolvimento de energia nuclear, incluindo a construção de diversos reatores de pesquisa nuclear.

Eles estão operando atualmente cinco reatores de pesquisa nuclear com a expectativa de construir um sexto reator de energia nuclear.

Usina nuclear Atucha I

O interesse por este tipo de energia começou em 1964. Em seguida, o país realizou um estudo de viabilidade para construir uma usina na província de Buenos Aires de 300 a 500 MW.

Energia nuclear na Argentina, história das usinas argentinasA política do país era firmemente baseada no uso de reatores nucleares de água pesada usando urânio natural como combustível nuclear. As ofertas mais atraentes que finalmente foram aceitas foram as do Canadá e da Alemanha.

O combustível nuclear usado em Atucha I é uma mistura de urânio natural e urânio ligeiramente enriquecido.

A usina nuclear Atucha 1 entrou em operação em 1974, tornando-se a primeira usina nuclear argentina.

Usina nuclear Embalse

Em 1967, foi realizado um segundo estudo de viabilidade para a construção de uma usina nuclear maior no Reservatório da região de Córdoba, 500 km para o interior.

Neste caso, um reator CANDU-6 da Atomic Energy of Canada Ltd. (AECL) foi selecionado, em parte devido ao acordo de transferência de tecnologia que o acompanha, e foi construído com a empresa italiana Italimpianti. A usina nuclear Embalse entrou em operação em 1984.

A planta passou recentemente por um plano de extensão de vida e está pronta para operar por mais 30 anos.

Usina nuclear Atucha II

Em 1979, foi planejada uma terceira usina nuclear na Argentina - Atucha 2 - como resultado de uma decisão do governo argentino de ter mais quatro unidades que entrariam em operação entre 1987 e 1997.

A construção da planta projetada pela Siemens começou em 1981. No entanto, as obras foram suspensas em 1994 por falta de fundos com 81% da planta construída.

Em 1994, foi criada a Nucleoeléctrica Argentina SA (NASA) para assumir as usinas nucleares do CNEA e supervisionar a construção do Atucha 2.

Em 2003, foram apresentados os planos para concluir os 692 MW do Atucha 2. Em agosto de 2006, o governo anunciou um plano de US $ 3,5 bilhões para desenvolver a energia nuclear na Argentina. O objetivo era concluir o Atucha 2 e estender a vida operacional do Atucha 1 e do Embalse.

Planta de enriquecimento

Em dezembro de 2015, uma nova planta de enriquecimento de urânio foi inaugurada para produzir combustível para as usinas nucleares da Argentina, localizadas em Pilcaniyeu. A planta usará técnicas mais modernas de laser e difusão gasosa.

Reator de pesquisa CAREM

O reator CAREM é um reator nuclear projetado para ser utilizado para a geração de eletricidade (100 MW térmico e 27 MWe líquido) ou como um reator de pesquisa ou para a dessalinização de água. É um reator nuclear de água sob pressão simplificado com geradores de vapor integrados.

O reator nuclear CAREM - desenvolvido pelo CNEA e INVAP - encontra-se em fase de construção na província de Formosa, no noroeste do país.

Quais são os recursos de urânio na Argentina?

Os recursos de urânio da Argentina são apenas cerca de 15.000 tU, apesar do CNEA estimar que existam cerca de 55.000 tU como "alvos de exploração". A partir de meados da década de 1950, foram realizadas explorações de urânio e algumas minerações, mas a última mina foi fechada em 1997 por motivos econômicos.

No entanto, na Argentina, há planos de reabrir a mina Sierra Pintada CNEA em Mendoza, no centro-oeste, fechada desde 1997. Também é conhecida como mina San Rafael e Moinho. A retomada da mineração de urânio faz parte do plano de 2006.

Em 2007, o CNEA chegou a um acordo com o Governo Provincial de Salta, no norte do país, para reabrir a mina de urânio Don Otto, que funcionou de forma intermitente de 1963 a 1981.

Autor:

Data de publicação: 18 de julho de 2011
Última revisão: 23 de dezembro de 2021